A história da Normandia

Tours em Normandia A partir de 190,00 € Saber mais

Embora o governo francês tenha cedido ao exército alemão com o armistício de 22 de junho de 1940, o presidente dos Estados Unidos Franklin Roosevelt pensava que esta situação criava um verdadeiro desequilíbrio na ordem mundial. A invasão alemã na Rússia, em 1941, e a entrada do Japão nas forças do Eixo fomentaram os conflitos. Foi então tomada a decisão de montar a operação Overlord.

Derrotando as forças do Eixo

Em 25 de junho de 1942, decidiu-se não realizar um desembarque na Europa. A África do Norte foi favorecida por uma campanha anfíbia com a operação Torch. Esta última tinha por objetivo liberar o Mar Mediterrâneo e assim acabar com a ameaça que pesava sobre o Oriente Médio.

A retomada dos ataques na Europa tinha por principal objetivo derrotar a Alemanha. A Libertação da França foi apenas uma feliz consequência. Enquanto o desembarque aliado era organizado, operações de disfarce foram instauradas pelas forças aliadas. Uma medida de disfarce consiste na realização de ações que têm por objetivo enganar o adversário sobre as suas verdadeiras intenções.  Foi assim que ocorreram os assaltos de forças canadenses à Dieppe, em agosto de 1942. As tropas sofreram grandes baixas, o que confirmou a capacidade do exército alemão de defender o litoral.

Um ano depois, o general Dwight Eisenhower foi oficialmente nomeado o comandante supremo das forças expedicionárias aliadas na Europa. Nesta época, a Alemanha achava que haveria um desembarque. O Estado-maior previu este ataque para a primavera de 1944. Adolf Hitler, o Führer, interveio diretamente nas decisões tomadas pelas forçadas armadas. Ele também esteve muito envolvido no comando das operações.

A defesa alemã

Foi, contudo, o comandante Erwin Rommel quem esteve à frente da excelente estratégia de defesa do litoral ocidental. Ele instalou obstáculos antidesembarque inventados por ele, certo de que o desembarque ocorreria com a maré alta. O objetivo dos trabalhos para construir a “Muralha do Atlântico ” ou “Atlantikwall” era poder atingir as embarcações, imobilizando depois os soldados de infantaria que tivessem chegado ao litoral. Estacas de ferro entrelaçadas, trilhos e tetraedros pontiagudos estiveram entre os objetos colocados nas praias. Os soldados também instalaram minas no mar e em terra. A inundação de zonas baixas foi realizada certamente para colocar depois as estacas voltadas para cima, a que chamamos de estacas de Rommel.

Organização do assalto

A operação Netuno foi um assalto anfíbio. O desembarque na África do Norte traz às forças de Eisenhower uma experiência a ser usada na estratégia do ataque à Normandia. A área em causa foi aumentada e os meios multiplicados para o sucesso da operação. Decidiu-se, então, que o assalto seria nas 5 praias normandas, entre Ouistreham e Varreville, no Cotentin.

Por questões de visibilidade e com o objetivo de surpreender as forças alemãs, os aliados tomaram a decisão de atacar de dia e com a maré baixa ou semi alta. A data do Dia D, ou D-Day, ficou fixada em 5 de junho de 1944, com um adiamento possível para 6 ou 7 de junho se as condições meteorológicas exigissem.

O efeito de surpresa foi aumentado pela divulgação de falsas notícias e a reunião de embarcações para fazer crer que haveria desembarques em outra parte e não na Normandia.

O desembarque e a batalha da Normandia

Na manhã de 6 de junho de 1944, Pointe du Hoc foi bombardeada. Seguiram-se os desembarques das tropas nas praias de Omaha Beach e Utah Beach. Estes assaltos foram particularmente sangrentos devido à defesa eficaz dos alemães. Gold Beach, Juno Beach e Sword Beach também foram atacadas. Os avanços das tropas permitiram a libertação progressiva das cidades bem como a tomada de lugares estratégicos, como Caen e o porto de Cherbourg. Entre os soldados, várias nacionalidades estavam representadas: americanos, ingleses, canadenses, franceses (comando Kieffer).

Um desembarque na Provence aconteceu em 15 de agosto de 1944. Progressivamente, as tropas aliadas tomaram o controle do território francês. O desfile da Libertação de Paris ocorreu na Champs Élysées, em 26 de agosto de 1944.